TODO AQUELE QUE CRÊ NUM DOGMA, ABDICA COMPLETAMENTE DE SUAS FACULDADES. MOVIDO POR UMA CONFIANÇA IRRESISTÍVEL E UM INVENCÍVEL MEDO DOENTIO, ACEITA A PÉS JUNTOS AS MAIS ESTÚPIDAS INVENÇÕES.

Domingo, 11 de Abril de 2010

Protestantes é nessas coisas que voces acreditam.Duvido que tenham coragem de ler .Teologo,tu que quer ser pastor da uma olhadinha aí.

Foram terríveis os prejuízos causados pelos tradutores protestantes em todas as suas tentativas de traduzir as Sagradas Escrituras.

A incompetência, aliada muitas vezes a má fé, causou danos irreparáveis aos ensinamentos de Jesus Cristo na terra contribuindo decisivamente para a dispersão de seu rebanho.

Acompanhe abaixo cada tradutor protestante e seu atentado às Escrituras:Lutero Na Alemanha, já havia 30 diferentes edições católicas alemãs da Bíblia*, mas, Lutero, fundando o protestantismo, resolveu fazer sua tradução e adulterou Romanos 1,17, onde diz que “o justo viverá pela fé”. Ele acrescentou a palavra alemã “allein” que significa “somente”, e passou a pregar que o justo “viverá SOMENTE pela fé”. Foi o modo desonesto que ele achou para justificar sua nova religião do “Sola fide”.

Ele mesmo confirmou esta adulteração, quando cheio de ódio disse: ”Se um papista lhe questionar sobre a palavra ‘somente’, diga-lhe isto:

Quem não aceitar a minha tradução, que se vá. O demônio agradecerá por esta censura sem minha permissão.

” (Amic. Discussion, 1, 127,’The Facts About Luther,’ O’Hare, TAN Books, 1987, p. 201). - * (Imperial Encyclopedia and Dictionary © 1904 Vol. 4, Hanry G. Allen & Company), (Holman Bible Dictionary © 1991).


A carta de Tiago que condena o “Somente a fé” em (2,20), (2,14-16) e (2,21-22), foi assim tratada pelo dito “reformador”: ”A carta de Tiago é uma carta de palha, pois não contém nada de evangélico.” (’Preface to the New Testament,’ ed. Dillenberger, p. 19.).


Hoje, discretamente retiraram o “somente” das traduções protestantes posteriores, mas a doutrina de Lutero (sola fide) é a essência do protestantismo.

Continua o jeito fácil de salvar-se, “somente” tendo fé, como determinou Lutero:

“Seja um pecador e peque fortemente, mas creia e se alegre em Cristo mais fortemente ainda…Se estamos aqui (neste mundo) devemos pecar…Pecado algum nos separará do Cordeiro, mesmo praticando fornicação e assassinatos milhares de vezes ao dia”.

(Carta a Melanchthon, 1 de agosto de 1521 - American Edition, Luther’s Works, vol. 48, pp. 281-82, editado por H. Lehmann, Fortress, 1963).

ZwinglioZwínglio foi além, na sua tradução alemã, ousou adulterar as mais importantes palavras de Jesus Cristo, com visível intenção de eliminar sua presença na Eucaristia. Colocou a palavra “significa”, onde Jesus diz que o pão “É” seu Corpo e o vinho “É” seu Sangue. Veja o repúdio de um autor protestante da época: “Não é possível de modo algum excusar este crime de Zwínglio; a cousa é por demais manifesta; (…) Não o podeis negar nem ocultar porque andam pelas mãos de muitos os exemplares dedicados por Zwinglio a Francisco, rei de França, e impressos em Zurique no mês de março de 1525. Na aldeia de Munder, na Saxônia, no ano 60 eu vi na casa do reitor do colégio, Humberto, não sem grande maravilha e perturbação, exemplares da Bíblia alemã, impressas em Zurique, onde verifiquei que as palavras do Filho de Deus haviam sido adulteradas no sentido dos sonhos de Zwinglio. Em todos os quatro lugares (Mt., 26; Mc., 14; Lc., 22; I cor., 11) em que se referem as palavras da instituição do Filho de Deus, o texto achava-se assim falseado: Das bedeutet meinen Leib, das bedeutet meinen Blut, isto significa o meu corpo, isto significa o meu sangue.

” (Conr. Schluesselburg, op. cit. f. 44 a.) (citações em padre Leonel Franca, op. cit., pág. 211).


Lutero levantou-se contra Zwinglio, e disse que ”“é “ não pode ser traduzido por “significa””. (Uma Confissão a respeito da Ceia de Cristo - Von Abendmahl Christi, Bekenntnis WA 26, 261-509, LW 37. 151-372, PEC 287-296. - SASSE, H. Isto é o meu Corpo, p. 107). Citado em: http://www.seminarioconcordia.com.br/Art…

Eles corrigiram isso nas versões protestantes seguintes. Mas, até hoje os pastores pregam que “significa”.

TyndaleTyndale foi outro falsário protestante, por isso, morto por um decreto do imperador em Augsburg. O rei Henrique VIII já havia condenado em 1531 a “bíblia” de Tyndale como uma corrupção da Escritura. Nas palavras dos conselheiros do rei: “a tradução da Escritura corrompida por Tyndale deveria ser totalmente expelida, rejeitada e deveria ficar fora das mãos das pessoas…”. Para se pensar, que as “bíblias” protestantes de Tyndale ou Lutero fossem tão boas, por que os protestantes europeus hoje não as usam como fazem com a King James? São Thomas More, que viveu naquele tempo comentou que, procurar erros na “bíblia” de Tyndale era semelhante a procurar água no mar.

(Henry G. Graham, Where We Got The Bible (TAN Books, 1977) pp. 128,130).



Miguel ServetMiguel Servet foi outro protestante que morreu por corromper ao traduzir as Escrituras. João Calvino, o principal “

publicado por SÉRGIO RIBEIRO às 21:36


Confesso que a Bíblia é para mim um livro de inestimável valor, mas que não é literalmente, como dizem, a palavra de Deus, pois os erros que ela contém constituem prova provada de que ela não o é.


E a reencarnação aparece na Bíblia com o nome de ressurreição, que é do espírito e não da carne (são Mateus 16,13 e 14; 17,13; 11,14; são Lucas, 1,17; 1 Coríntios 15,44; 15,50; são João 6,63; Eclesiastes 12,7; Sabedoria 8, 19 e 20; Jó 8,9; e Salmo 104,29).  As chamadas penas eternas não são intermináveis, mas apenas de duração indefinida.E o espírito ressuscita ora no mundo espiritual, ora na carne (reencarnação).


O termo bíblico hebraico “ôlam”, do verbo “âlam” (ocultar), traduzido por eterno, quer dizer oculto, de duração desconhecida. Também o adjetivo grego “aiônios” e o latino “eternus”, eterno em português, significam um período longo, mas não sem fim. Se eterno nas penas bíblicas tivesse o sentido de um tempo sem fim, como muitos leitores da Bíblia ainda hoje entendem, nela deveria estar empregada a palavra grega “aidios” (para sempre) e, em latim, “sempiternus (para sempre). Também os substantivos grego “aêon” e latino “eternitas” significam eternidade, que, como vimos, é um tempo indefinido, e não é uma só. Por isso se diz “as eternidades”. “Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, de eternidade a eternidade” (Salmo 106,48). Ademais, o verbo latino “castigare” (castigar), a cuja raiz pertencem castigo e castidade, tem o sentido de podar, purificar. Pena é, pois, poda ou purificação, o que jamais poderia ser para todo o sempre, e visa a regeneração (nosso livro “A Reencarnação na Bíblia e na Ciência”, EBM Ed., São Paulo).


As penas sem fim e sem nossa regeneração são mitológicas, e parecem-nos próprias do Deus do Velho Testamento. Já a lei cármica reencarnacionista de Jesus, que dá a cada um segundo suas obras e que permite a nossa recuperação, é própria do nosso Deus Pai de amor!

 

tags:
publicado por SÉRGIO RIBEIRO às 05:09

 

 

 

Os dogmas da divindade de Jesus e da Santíssima Trindade nunca foram definitivamente resolvidos. Eles surgiram nos concílios de Nicéia (325), Constantinopla (381), Éfeso (431) e Calcedônia (451). Jesus não é um Deus absoluto, mas relativo como nós (Salmo 82,6 e João 10,34). Ele ensinou que nós deveríamos amar uns aos outros como Ele nos amou. Ora, se Ele fosse Deus mesmo, amar-nos-ia com um amor infinito, e nós, então, jamais poderíamos amar-nos uns aos outros como Ele nos amou! E, se podemos fazer tudo que Ele fez e até mais, ainda, é também porque Ele não é Deus mesmo! Jesus é apenas o "Logos", o Demiurgo de Platão e de João Evangelista, ou seja, o Mediador entre Deus e os homens de São Paulo: "Há um só Deus (Theos") e um só Mediador ("Logos") entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem"(1 Timóteo 2,5). Jesus era Deus ("Logos") e estava com Deus ("Theos"), mas não era Javé (João 1,1).

O Concílio de Lyon (1274) instituiu o dogma do "Filioque", agravando mais, ainda, as divergências sobre esses assuntos e outros entre a Igreja Romana e a Ortodoxa Oriental. No tocante ao Espírito Santo, só podemos adiantar, com base na Bíblia, que Ele existe, mas, igualmente, Ele não é outro Deus, mas a comunhão dos espíritos humanos criados, que somos todos nós, inclusive Jesus. É o que lemos em 1 Coríntios 6,19: "Nosso corpo é santuário dum Espírito Santo" (nosso livro "A Face Oculta das Religiões", pág. 117 a 134). Os teólogos imaginaram que em Deus há três Pessoas Divinas. Mas Deus não é uma pessoa, quanto mais três! Deus é infinito. Se fosse pessoa, Ele seria finito! Ele é o Pai de todos nós, inclusive de Jesus. É o Único, isto é, o Javé, o Criador, o incriado e o ingerado.

Os teólogos são os responsáveis pela frieza dos cristãos e pelo ateísmo, pois, em pleno Terceiro Milênio, continuam ensinando teologias conflitantes, que os teólogos do passado criaram, mas que eles mesmos não entendiam e muito menos as entendem os de hoje!

 

 

tags:
publicado por SÉRGIO RIBEIRO às 05:03

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

16


25
26


Últ. comentários
Excelente texto. Parabéns!
É como você mesmo colocou no subtítulo do seu blog...
Ok, Sergio.O seu e-amil é só esse: oigres.ribeiro@...
Ok, desejaria sim.
Ola, Sérgio.Gotaria de lhe fazer um convite:Gostar...
Obrigado e abraços.
www.apologiaespirita.org
Ola, Sérgio.Gostei de sua postagem, mas gostaria s...
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro