TODO AQUELE QUE CRÊ NUM DOGMA, ABDICA COMPLETAMENTE DE SUAS FACULDADES. MOVIDO POR UMA CONFIANÇA IRRESISTÍVEL E UM INVENCÍVEL MEDO DOENTIO, ACEITA A PÉS JUNTOS AS MAIS ESTÚPIDAS INVENÇÕES.

Quinta-feira, 30 de Setembro de 2010

Os bibliomaníacos dizem que ela foi escrita por homens, inspirados diretamente por Deus — noutras palavras, uma psicografia.

 

Podemos até admitir que os textos, ou partes deles, foram inspirados pela Divindade, senão diretamente por Deus (muito improvável), mas por Espíritos enviados por Ele (mais plausível).

 

Os textos originais foram escritos há mais de um milênio e meio, em idiomas mortos, ou seja, não mais falado atualmente (hebraico, aramaico e o grego antigo, do dialeto chamado Koiné). Até chegar na versão que conhecemos hoje, eles sofreram várias traduções. Nessa trajetória, é comum que tenha sofrido distorções de interpretação.

 

Foi escrita com instrumentos rudimentares — não havia papel nem caneta — e muitos dos seus relatos sobreviveram, por séculos, mais pela tradição oral do que pelos manuscritos. Passando de um para outro, cada qual contava o que entendia, e muitas vezes, o que convinha. Os livros, ou trechos deles, eram transcritos separadamente e não com a unidade que vemos hoje, em um único exemplar.

 

A montagem do compêndio também deve ser considerada: a triagem dos manuscritos que deveriam ou não fazer parte dele também sofreu influências particulares. Nem tanto para o Velho Testamento — apesar de mais antigo —, mas principalmente para a reunião dos livros que comporia o Novo Testamento. Eram muitos textos, epistolas e evangelhos à disposição e muita contradição entre eles. Nisso, imperou os interesses da época da canonização. Ainda hoje resiste a velha discussão sobre seu conteúdo e, de acordo com certas religiões, há bíblias com mais e outras com menos livros.

 

Portanto, se Deus fosse escrever suas leis num único livro, permitiria tantas controvérsias?

* * *

Veja outra aberração: por que Jesus disse: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura.” (Marcos, 16:15), tem gente que pensa que o Mestre falava do livro chamado Bíblia, e imagina que os discípulos saíram carregando-a debaixo do braço. Mas como isso seria possível, se a Bíblia só foi compilada muitos anos depois de Cristo?

 

Ocorre que “evangelho” quer dizer “boa nova”, “boa notícia”, a Nova Doutrina de Cristo. Então, o que Jesus mandou pregar foi estes dois simples e perfeitos mandamentos “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo” e não as regras disso e daquilo, como cada religião interpreta e cria.

* * *

Se a palavra de Deus tivesse que constar num só volume, Jesus não o teria trazido do céu? ou Ele mesmo não o teria escrito?

 

Disse certa vez, um espírita chamado Bittencourt Sampaio: “Sentir a Doutrina! Quão difícil é! Porque a Doutrina é o Cristo, são as virtudes do seu Espírito e senti-la é sentir o próprio Mestre, na acepção completa da palavra.”

publicado por SÉRGIO RIBEIRO às 00:01

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24

27


Últ. comentários
Excelente texto. Parabéns!
É como você mesmo colocou no subtítulo do seu blog...
Ok, Sergio.O seu e-amil é só esse: oigres.ribeiro@...
Ok, desejaria sim.
Ola, Sérgio.Gotaria de lhe fazer um convite:Gostar...
Obrigado e abraços.
www.apologiaespirita.org
Ola, Sérgio.Gostei de sua postagem, mas gostaria s...
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro