TODO AQUELE QUE CRÊ NUM DOGMA, ABDICA COMPLETAMENTE DE SUAS FACULDADES. MOVIDO POR UMA CONFIANÇA IRRESISTÍVEL E UM INVENCÍVEL MEDO DOENTIO, ACEITA A PÉS JUNTOS AS MAIS ESTÚPIDAS INVENÇÕES.

Sábado, 24 de Abril de 2010

Há muitos caminhos à nossa frente. Qual deles devemos trilhar? Um nos convida pela beleza da vegetação, pelo perfume que se exala das suas flores coloridas. Outro, com regatos mansos e arbustos verdejantes, onde os pássaros canoros gorjeiam amorosamente. Outro ainda nos oferece a planície infinda e, ao longe, como se o horizonte fosse o fim, o repouso, a tranqüilidade. E outros e outros, cada qual com seus atrativos naturais e encantadores.

 

Nossa mente se extasia e leva ao nosso coração essas miragens magníficas, e o coração se enternece e os olhos choram. Tanta beleza à nossa disposição! Tanta coisa sublime, encantadora, e nós, quantas vezes, choramos porque nossas posses não nos permitem assistir a espetáculos de diversões mundanas!

Pois bem, irmão! Deixei-te, de propósito, nessa expectativa do caminho a escolher e te levei ao mundo das coisas fictícias para te mostrar o caminho, ou seja, aquele pelo qual qualquer ser menos previdente pode enveredar, ainda que à tua frente estejam todos os lagos serenos, todas as flores perfumadas, todas as montanhas, todas as belezas naturais, o que seria o suficiente par qualquer alma sentir-se feliz ao poder desfrutá-las.

 

Tudo está à disposição de todos; à frente de todos; as criaturas ainda são como borboletas não se satisfazem em percorrer um caminho que as leve a um fim determinado. Querem adejar, ora aqui, ora ali, sempre ávidas de novidades que supram a sua falta de acuidade para avaliar o que realmente vale a pena a ser apreciado.

 

Almas desse calibre vivem aí, aos milhões tontas, esvoaçantes, cheias de complexos, a se torturarem intimamente por não poderem encontrar a vereda que as liberte de suas deficiências. E põem-se de braços cruzados à espera de que o milagre se faça. E se admiram de que outras pessoas sejam felizes com o pouco de que dispõem e as invejam e as caluniam e as perseguem.

Ter muito é saber viver com o que se tem e sentir-se feliz em qualquer situação e em qualquer ambiente. Quantos caminhos abertos? Mas na realidade, só há um caminho ..

"Eu sou o caminho" (João, 14:6) (N.E.)

Tudo mais é miragem, é Maia. (aparência ilusória da diversidade do mundo na concepção hinduísta) (N.E.)

As flores perfumadas simbolizam a essência das almas puras; o regato manso, a serenidade; os arbustos, a força viva da natureza que brota mesmo sem que a mão do homem semeie. E a vontade que deve brotar com vigor, dentro do ser, para o impulsionar para a frente.

O céu constelado é o convite para que o homem, contemplando o firmamento, admirando tanta grandiosidade, deixe o orgulho e a vaidade e procure brilhar como as estrelas no céu da sua bondade e amor fraterno.

 

Enfim, tudo, todos os caminhos são simbólicos, porque o homem é o ser privilegiado que tem à sua frente tudo o que o possa fazê-lo feliz. O feio, o mau, o odor desagradável são produtos das paixões e vícios que pululam no nosso ambiente.

 

Transmutemos, com vontade firme, tudo que seja contrário à evolução, em dons imperecíveis, e o caminho se apresentará iluminado dentro de nós e poderemos dizer como disse o Mestre: "Eu sou o caminho"...

Cenyra Pinto
tags:
publicado por SÉRGIO RIBEIRO às 00:37

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

16


25
26


Últ. comentários
Excelente texto. Parabéns!
É como você mesmo colocou no subtítulo do seu blog...
Ok, Sergio.O seu e-amil é só esse: oigres.ribeiro@...
Ok, desejaria sim.
Ola, Sérgio.Gotaria de lhe fazer um convite:Gostar...
Obrigado e abraços.
www.apologiaespirita.org
Ola, Sérgio.Gostei de sua postagem, mas gostaria s...

blogs SAPO


Universidade de Aveiro