TODO AQUELE QUE CRÊ NUM DOGMA, ABDICA COMPLETAMENTE DE SUAS FACULDADES. MOVIDO POR UMA CONFIANÇA IRRESISTÍVEL E UM INVENCÍVEL MEDO DOENTIO, ACEITA A PÉS JUNTOS AS MAIS ESTÚPIDAS INVENÇÕES.

Quarta-feira, 05 de Maio de 2010

 

 

    Certo professor de filosofia, dando aula no segundo grau, fez algumas citações aos seus alunos sobre a Arca de Noé. Os alunos desconfiaram de certas colocações, e como narrativas que advém da Bíblia podem estar repletas de conceitos pessoais, resolvemos fazer um estudo com base nos relatos do livro de Gênese, concomitantemente com a ciência e a lógica do raciocínio, para sabermos até onde existe verdade.

      Segundo o livro Gênese,13, a história da Arca inicia-se quando Deus diz a Noé que o fim de toda a carne é vindo, e pediu-lhe para que construísse uma arca de madeira com as seguintes medidas: 300 côvados de comprimento, 50 côvados de largura e 30 côvados de altura. Um côvado equivale a 45 cm. Então temos: comprimento 45 cm x 300 = 135 metros, largura 45 cm x 50 = 22,5 metros e altura 45 cm x 30 = 13,5 metros. Como cada um dos três andares mediria 3.037,5 metros quadrados, a área total da arca estaria pelos 9.112,5 metros quadrados.

     E pediu a Noé, que entrasse com seus filhos noras e a sua mulher, que também colocasse um casal de cada espécie, aves, réptil, mamíferos e mantimento para a família e para os animais. Para ser mais fidedigno na afirmativa retiramos um excerto a partir de 12.

 

 

12 E houve chuva sobre a terra quarenta dias e quarenta noites.13  E no mesmo dia entraram na arca Noé, seus filhos Sem, Cão e Jafé, sua mulher e as mulheres de seus filhos. Eles, e todo o animal conforme a sua espécie, e todo o gado conforme a sua espécie, e todo o réptil que se arrasta sobre a terra conforme a sua espécie, e toda a ave conforme a sua espécie, pássaros de toda qualidade. 15  E de toda a carne, em que havia espírito de vida, entraram de dois em dois para junto de Noé na arca.16  E os que entraram eram macho e fêmea de toda a carne, como Deus lhe tinha ordenado; e o SENHOR o fechou dentro.17  E durou o dilúvio quarenta dias sobre a terra, e cresceram as águas e levantaram a arca, e ela se elevou sobre a terra.18  E prevaleceram as águas e cresceram grandemente sobre a terra; e a arca andava sobre as águas. 19  E as águas prevaleceram excessivamente sobre a terra; e todos os altos montes que havia debaixo de todo o céu, foram cobertos. 20  Quinze côvados acima prevaleceram as águas; e os montes foram cobertos. 21 E expirou toda a carne que se movia sobre a terra, tanto de ave como de gado e de feras, e de todo o réptil que se arrasta sobre a terra, e todo o homem. 22  Tudo o que tinha fôlego de espírito de vida em suas narinas, tudo o que havia em terra seca, morreu. 23 Assim foi destruído todo o ser vivente que havia sobre a face da terra, desde o homem até ao animal, até ao réptil, e até à ave dos céus; e foram extintos da terra; e ficou somente Noé, e os que com ele estavam na arca. 24 E prevaleceram as águas sobre a terra cento e cinqüenta dias.

 

    Até aqui, acreditamos que o leitor tenha percebido que o planeta terra, segundo a citação, fora completamente inundado pelas águas. Agora vamos as devidos esclarecimentos.

Segundo o texto no versículo 19 diz: “E as águas prevaleceram excessivamente sobre a terra; e todos os altos montes que havia debaixo de todo o céu, foram cobertos”.

 

 

     É preciso tentar entender a que “terra”  o autor se refere. Só poderia ser a área a qual ele conhecia. A circunferência polar do planeta é de 40.009 Km, a circunferência equatorial tem 40.076 Km, as terras emersas são da ordem de 150 milhões de Km². Como Noé teria condições de saber que o dilúvio cobriu todo o planeta, se nessa época não era conhecida a sua esfericidade? Os antigos navegantes acreditavam que depois da linha do horizonte havia um abismo, onde os navios “desapareciam” após este limite visual, e temiam ir além desse limite. O ponto mais alto do planeta é o Monte Everest, localizado na cordilheira do Himalaia, na Ásia, com 8.850 metros. Para que esse monte fosse totalmente coberto, deveria haver seis vezes mais a quantidade de água que existe no planeta, e de onde sairia tanta água? E se saiu de algum lugar, para onde foi? Nota-se que era um monte, e não uma montanha ou um pico que é muito elevado.

 

 Os animais

 

    Segundo o texto, foi colocado um casal de cada animal dentro da arca, mas o que não se explica, é, como conseguiram salvar todas as aves e mamíferos que vivem nas regiões glaciais, como pingüins, focas, leões marinhos, entre outras espécies? Pelo que consta, Noé não foi buscá-los, então como sobreviveram? Como Noé conseguiu alimentar todos esses animais durante esse tempo?

    As Capivaras são exclusivas brasileiras, não existindo em nenhum outro lugar do mundo, segundo os criacionistas, elas foram criadas junto com todas as demais espécies animais. No dilúvio evidentemente todas as que não embarcaram na Arca de Noé morreram. Sendo assim, é lógico concluir que se elas hoje existem, é por que estavam na arca. Foram então desembarcadas por Noé no monte Ararate. As capivaras não nadam grandes distâncias nem possuíam navios, só podem ter sido trazidas para o Brasil por algumas tribos perdidas de Israel que vieram parar na América depois da dispersão. Sem tais tribos não haveria os índios por aqui, nem as capivaras. Como trouxeram essas e mais outras milhares de espécies animais exclusivas do Brasil? Como Noé as buscou nas diversas partes do mundo para levá-las para a Arca? E não são só os animais grandes! Como trouxeram milhões de espécies de insetos e aracnídeos terrestres exclusivos da Amazônia? Sem os quais inclusive o ecossistema da floresta não se manteria. Depois que os animais saíram da arca, como os carnívoros e herbívoros se alimentaram? e a água cobriu a terra não havia vegetação, talvez muita lama. E os peixes de água doce sobreviveram? Deixemos para os criacionistas responderem.

 

As etnias

    Se considerar a época do dilúvio até os nossos dias, passaram-se 2450 anos, aproximadamente, como então, em tão pouco tempo o mundo pôde super populacionar com diferentes raças em diferentes regiões, voltamos a lembrar das regiões polares, como poderia suportar os habitantes do oriente, acostumados a temperaturas de 50ºC, passar a viver sem problemas de adaptação nos polos, onde a temperatura chega a -60ºC ? Os idiomas, por exemplo, deveriam ter mais ou menos a mesma característica, e não deveriam ser tão diferentes como é o Japonês, o Hebraico, Latim, Inglês, Francês etc...

Esses questionamentos é que poucos fazem, preferindo aceitar o que se diz sem passar pelo crivo da razão e do bom senso, já que para saber as coisas é preciso ler muito e pesquisar durante longo tempo.

   

A arca

 

     O termo hebr. teváth  vertido por "arca", significa efetivamente uma arca ou caixa. Não pretendia ser uma embarcação com o objetivo de navegar, mas somente para flutuar. A Bíblia diz que 5 meses após o Dilúvio Bíblico começar, a "Arca veio pousar nos Montes de Ararat" (Génesis 8:4). Após isso, depois de 5 meses e 10 dias, a porta foi aberta (Gênesis 7:11; 8:4, 14). Ararat refere-se a uma região na Arménia – o antigo Reino de Urartu, e não um monte específico, apesar de existir um monte, que em época de frio fica coberto de gelo. Após a saída de Noé, da sua família e dos animais da Arca, a localização e o seu destino jamais foi referido na Bíblia. O que devemos observar é que dentro da medida mencionada, trezentos côvados é uma extensão grande para quem não conhecia de navegação, e não possuía tecnologia para construir uma embarcação com essas proporções, além de não existir ferramenta para realizar uma boa construção. Não havia pregos, muito menos serrote, então como Noé poderia ter unido as madeiras uma a uma, amarrada uma na outra? Nota-se, que foi indicado o betume para a vedação, mas provavelmente foi impermeabilizada com alcatrão e construída com cipreste. Mas isso não é o suficiente, pois ao colocar animais pesados como elefantes, rinocerontes, hipopótamos, girafas, (vamos admitir que ele tivesse colocado todas as espécies), logo de cara, com o mar agitado devido aos fortes ventos durante 40 dias, a embarcação se partiria em vários lugares, indo à pique em pouquíssimo tempo. Sem falar nos vazamentos que é comum numa construção dessas, e nos animais estressados, agitados, será que ficaram comportados, um ao lado do outro? Não é de se estranhar? Esses questionamentos é que poucas pessoas fazem preferindo aceitar o que se diz sem passar pelo crivo da razão do bom senso. Já que para saber as coisas é preciso estudar e pesquisar.   

 

 

Como se vivia na arca?

 

Como Noé resolveu a diversidade da alimentação dos animais, como colocar isto dentro da embarcação? E o que se come não é eliminado pelo organismo? Aonde foram jogados os dejetos dos homens e dos animais, pois a arca estava quase que totalmente fechada? E o ar lá dentro, como deveria estar? Haveria ainda oxigênio para se respirar nesta arca? Será que com somente 8 pessoas eles conseguiriam alimentar todos os animais todos os dias, sem um único dia para o descanso, durante o período ?

 

"Farás na arca uma janela, e de um côvado a acabarás em cima; e a porta da arca porás ao seu lado; far-lhe-ás andares, baixo, segundo e terceiro."  (Gênesis 6 : 16).

 

Observa que Noé construiu apenas uma porta e uma janela na arca, o que leva a crer que neste período todo a arca estava completamente fechada, numa escuridão total. Como viveram os que lá estavam, neste período todo, sem a luz do sol? E Noé com a idade que tinha, teria condições físicas para construir tamanha embarcação? “e Noé tinha a idade de seiscentos anos, quando o dilúvio das aguas veio sobre a terra”(Genesis 6,7) Seiscentos anos? Nem o Brasil chegou a esta idade após o descobrimento!

 

O que diz a ciência

 

Segundo pesquisadores houve um dilúvio, mas foi parcial, com o transbordamento do delta dos rios Tigre e Eufrates, que cobriu uma área muito extensa, não afetando assim a terra desabitada, como a América por exemplo, ficando assim a dimensão do desastre localizada apenas na terra habitada, reduzindo consideravelmente o trabalho que daria à Noé o ter de juntar os casais das espécies. Lendas sobre grandes dilúvios estão espalhadas entre diferentes culturas. Estima-se que cerca de 300 histórias desse tipo já tenham sido registradas. A de Noé, no entanto, é a mais famosa na civilização ocidental.

Estudiosos apontam que o Dilúvio, parte do livro do Gênesis, tenha sido escrito entre 550 A.C. e 450 A.C., período em que os judeus mais influentes de Jerusalém foram aprisionados na Babilônia. "O Gênesis cumpria o papel de reforçar a identidade desse povo", explica Fernando Altemeyer, professor de teologia da PUC. Inspirado na literatura babilônica, o livro mostrava que os judeus tinham uma história e um passado respeitável e deveriam buscar seu futuro a partir daqueles ensinamentos de seus antepassados.

 

 

 

Rio Tigre e Eufrates

 

    O monte atualmente denominado "Ararate" é semelhante a uma cadeia com dois picos gêmeos. É muito interessante observar que existem diversas referências no decorrer da história que relatam sobre um grande barco em uma montanha nesta região. As mais antigas referências (início do século III D.C) sugerem que era de conhecimento geral que a Arca ainda podia ser vista no Monte Ararat. Nos anos 80, a "arca-logia" obteve certo ar de respeitabilidade com a participação ativa do ex-astronauta da NASA James Irwin em expedições à montanha. Além disso, as investigações sobre a Arca também foram aceleradas com a dissolução da União Soviética, pois a montanha estava justamente na fronteira entre União Soviética e Turquia. As expedições à montanha eram consideradas como uma ameaça à segurança pelo governo soviético.  Infelizmente, visitas posteriores aos locais descritos não produziram evidências adicionais, o paradeiro revelado pelas fotografias é atualmente uma incógnita e as diferentes visões não indicam o mesmo local. Além disso, o astronauta James Irwin faleceu, uma testemunha visual recentemente se retratou publicamente e existiram poucas expedições à montanha nos anos 90.  Porém ainda existem alguns esforços. Mesmo considerando que a Associates for Biblical Research não está direcionada para qualquer um destes esforços, tem-se pesquisado documentos antigos, procurado por relatos de testemunhas visuais e renovado esforços para mapear o local de repouso da Arca. Existem ainda muitas expedições pendentes. Se realmente estiver lá, um dia saberemos. Hoje em dia, a região é palco de conflitos com as tropas de guerrilheiros Curdos, e os poucos que se aventuraram a escalar o Ararat foram abatidos sem mais perguntas.

     

A única face da montanha cujo acesso não é barrado pelo gelo e pelos guerrilheiros é a face sul. Um grupo criacionista italiano, de nome La Narkas, é o mais recente dos numerosos grupos que asseguram conhecer o ponto exato da localização dos restos da Arca de Noé, sobre o Monte Ararat, fronteira entre a Turquia e a Armênia. Fotografias do mencionado sítio podem ser vistas na Internet, no entanto, em 2004, uma expedição foi ao Monte Ararat, na Turquia, com a intenção de localizar a Arca.

 Amostras do lugar foram submetidas a prova por geólogos e cientistas nucleares. Um instituto oficial do governo da Nova Zelândia, encontrou o que se tratava de rochas vulcânicas e não madeira petrificada. A Arca de Noé estaria do lado norte, sendo este o principal motivo pelo qual até hoje não se comprovou a presença real da mítica arca na região, o que nos faz supor, que realmente não passa de mais um mito bíblico.

 

 Mas então qual é a realidade de Noé e sua arca?

  

   O fato é que nos relatos dos povos antigos, essa história ou estória do dilúvio, se repete, na Grécia e na Babilônia, no dilúvio de Gilgamesh e Deucalião, considerado o Noé babilônico. As semelhanças entre as aventuras de Gilgamesh e as de Noé são impressionantes: a decisão de destruir a humanidade, o aviso feito a um homem para construir uma barca e embarcar nela animais, soltar aves quando as águas abaixassem, oferecer um sacrifício depois de passada a catástrofe e a bênção divina, tudo é idêntico.    

   Um detalhe curioso, é que o dilúvio não consta nos Hieróglifos egípcios, não há nenhuma citação sobre tal acontecimento, pois este povo sempre relatou tantos fatos corriqueiros do cotidiano nas paredes das pirâmides, que questionamos o por quê, não haver citação sobre tal calamidade? A resposta é simples, pode sim ter ocorrido uma enchente, como nos relata a ciência, mas a estória da arca de Noé é uma grande lenda.

 

 

 

O Monte Ararat, com o Pequeno Ararat à direita (Landsat, NASA)

 

Por Luciano Ribeiro

 

publicado por SÉRGIO RIBEIRO às 00:36

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11

16
21

23
29

31


Últ. comentários
Excelente texto. Parabéns!
É como você mesmo colocou no subtítulo do seu blog...
Ok, Sergio.O seu e-amil é só esse: oigres.ribeiro@...
Ok, desejaria sim.
Ola, Sérgio.Gotaria de lhe fazer um convite:Gostar...
Obrigado e abraços.
www.apologiaespirita.org
Ola, Sérgio.Gostei de sua postagem, mas gostaria s...

blogs SAPO


Universidade de Aveiro